Parece que você não possui a versão mais recente do Flash Player

Vamos Negociar

O problema do brasileiro

Estamos no meio da Copa do Mundo, hoje inclusive, a seleção canarinho ganhou de forma suada da Costa Rica. Momentos antes, todos estavam ligados cantando junto com os jogadores em campo, o nosso lindo hino nacional.

Foi de arrepiar. Mesmo quem não curte futebol (sou um destes) acaba dando um pause no que está fazendo para dar uma olhada no jogo.

Por outro lado, é incrível que tem muita gente que lembra incrivelmente de lances dos jogos das copas passadas, ao ponto de conseguir descrever no detalhe cada passe e conseguir escalar todos os jogadores do time por jogo. Eu realmente admiro estas pessoas e as respeito, afinal é uma paixão. Quem pode ser contra uma paixão?

Mas o que me incomoda é o fato de conseguirmos esta comoção apenas e tão somente no futebol. Mesmo que um jogo da seleção não seja um feriado nacional, ele é tratado assim. Funcionários e patrões entram em consenso para que o mesmo não aconteça com outros temas. Na política por exemplo, temos dificuldade de elencar quem são nossos representantes, que assuntos estão sendo abordados ou até mesmo quais são os crimes nos quais deputados, governadores e senadores estão sendo investigados. Isso é uma pena, mas também não é o fim do mundo.

Estamos num ano eleitoral que assim como a Copa do Mundo, também deveria ser um momento de comoção nacional. Que possamos dar um pause nos afazeres afim de estudar e se inteirar do que está acontecendo na esfera política e assim conseguirmos escalar as pessoas mais preparadas para fazer o povo brasileiro vencedor.

Que assim como o penteado do Neymar incomodou no primeiro jogo, também nos incomodemos com a postura dos candidatos, com os discursos fantasiosos e ainda com todo circo ao redor dos políticos. Que os funcionários e patrões respeitem as escolhas políticas individuais e possam estabelecer discussões saudáveis afim de conseguir encontrar um caminho que todos saiam ganhando e usando a mesma camisa verde e amarela, cantando em um só coro, o hino nacional. Será que é pedir demais?

Otávio Janecke

Publicitário e especialista em marketing de relacionamento com clientes, corretor de imóveis (Creci 30299), Modelo (DRT 12233/SC).

Fonte: http://www.jaraguaam.com.br/blogs/vamos-negociar/o-problema-do-brasileiro

comentários

notícias relacionadas