Parece que você não possui a versão mais recente do Flash Player

Clássicas da Jaraguá

O tenor perfeito

O cantor perfeito. O tenor que podia cantar tudo. De acordo com Rolando Villazón ele tinha uma voz universal. Uma combinação do melhor de tudo. O público o adorava, seus colegas o admiravam, este foi Fritz Wunderlich o tenor alemão mais festejado do século 20

Na sua curta carreira, ele faleceu no auge absoluto aos 36 anos de idade, realizou inúmeros gravações memoráveis.

Fritz Wunderlich era o que se costuma classificar de tenor lírico que canta papéis que requerem uma voz bela e suave. Suas especialidades absolutas eram o repertório de Mozart e o Lied alemão,  especialmente Schubert e Schumann. Para muitos até hoje não surgiu um sucessor digno dele neste repertório.

O crítico alemão Joachim Kaiser conheceu bem Fritz Wunderlich. Kaiser considerava Wunderlich o melhor tenor lírico de todos os tempos mas tinha algumas reservas em relação ao pianista que o acompanhava, Hubert Giesen. Wunderlich considerava Giesen seu professor na arte do canto de câmara. Kaiser conta que certa vez mostrou uma gravação do pianista Alfred Cortot acompanhando o barítono Charles Panzera nos Dichterliebe de Schumann. Kaiser queria demonstrar que para este repertório Wunderlich precisava de um pianista melhor do que seu antigo mestre. Wunderlich se divertiu com a interpretação antiquada do barítono mas não levou a sério a advertência do critico. Isso é compreensível pois para alguém de temperamento tão simples e humano o mundo artificial da ópera e das salas de concerto não significava muita coisa e ele provavelmente preferia ter ao seu lado um amigo, talvez uma figura paterna, do que um frio e excelente pianista.

Giesen no seu livro de memórias declarou: “Entre todos os cantores que eu acompanhei durante cinquenta anos apenas um eu amei como um filho: Fritz Wunderlich. Nossa amizade começou tarde, e acabou apenas três anos e meio depois, devido à morte súbita de Wunderlich, que, não é exagero dizer, abalou profundamente o mundo da música.”

Joachim Kaiser conta que Wunderlich aos 34 anos confidenciou que pretendia parar de cantar em dois ou três anos. Essa revelação é chocante pois ele estava no auge da carreira mas quis o destino que ele viesse a falecer dois anos depois.

Wunderlich gravou todas as árias do oratório A Criação de Haydn e deixou os recitativos para gravar depois de sua estreia no Metropolitan Ópera de Nova Iorque. Antes de embarcar quis passar alguns dias com amigos caçando e numa noite distraidamente desamarrou suas botas e desceu uma escada. Ele tropeçou e caiu sofrendo um traumatismo craniano. Morreu no dia seguinte. Karajan responsável pela gravação teria que gravar novamente todas as partes de tenor do oratório com outro artista mas achava que a interpretação de Wunderlich era bela demais para ser descartada e acabou contratando um tenor para registrar apenas as partes que faltavam.

A carreira de músico profissional é muito dura. Todos esperam no mínimo a perfeição. Wunderlich almejava uma vida simples ao lado dos amigos e da família. É bem provável que se tivesse vivido mais teria encerrado sua carreira cedo.

                Quando alguém tão jovem e talentoso como Fritz Wunderlich morre sempre volta a pergunta o que ele teria feito se tivesse vivido mais. Infelizmente esta pergunta jamais terá resposta. Possivelmente teria enveredado no repertório wagneriano mas se não tivesse cuidado poderia destruir sua belíssima voz. As exigências das partituras de Wagner já acabaram com muitas carreiras. Talvez ele teria se aposentado precocemente. De qualquer forma esta pergunta jamais será respondida. Wunderlich viveu pouco mas intensamente e deixou um legado maravilhoso de gravações que vamos continuar apreciando.

Fonte: http://www.jaraguaam.com.br/blogs/classicas-da-jaragua/o-tenor-perfeito

comentários

notícias relacionadas